Ladrões de cemitério

Nesses tempos nada amistosos em que os bandidos não respeitam nem mesmo os freqüentadores de velórios nos cemitérios da cidade, meu compadre Juventino teve que se valer literalmente da presença de espírito para escapar de uma esparrela. Ele havia recebido a notícia da morte do Alencar, codinome Peixoto, velho companheiro dos tempos de militância…

Continuar lendo Ladrões de cemitério

A mediocridade de cada dia

Medíocre, diz o Aurélio, significa mediano, sem relevo, comum, ordinário, vulgar, meão... Portanto, pessoa medíocre é aquela que está na média, dentro do óbvio e esperado pelos outros. O problema é que nesses tempos globalizados esse tipo de gente subiu ao pódium. Como ficaria muito caro elevar o nível intelectual e financeiro das massas, os…

Continuar lendo A mediocridade de cada dia

Imaginário roseano

A influência de Guimarães Rosa na cultura brasileira é incontestável. No entanto, o que muitas vezes foge à percepção de estudiosos é que ela se dá de maneira muito mais intensa na música popular do que propriamente na literatura. Isso talvez se justifique pelo fato de a musicalidade ser uma das marcas da obra…

Continuar lendo Imaginário roseano

Maratona de candidato

Vida de candidato não é sopa. Quem vê esses ilustres senhores sorrindo nos postes nem imagina o quanto eles padecem. A começar pela dor de consciência ao contemplar o próprio sorriso largo e franco. Afinal, eles riem do quê? Para quem não sabe, campanha eleitoral é uma verdadeira maratona para os candidatos. Haja sapato…

Continuar lendo Maratona de candidato

O “ismo” que nos resta

Diz o ditado que de boas intenções o inferno está cheio. E provavelmente o que mais tem no inferno são políticos, cujo ofício parece ser a arte de enganar eleitores. Claro que a democracia é o melhor dentre os melhores sistemas políticos imaginados pelo homem. No entanto, o voto deveria ser um direito do cidadão e não propriamente…

Continuar lendo O “ismo” que nos resta

País do passado

Eu sou do tempo em que juiz ladrão era personagem de futebol de várzea e cartola era chapéu de bacana ou nome de sambista genial. Craque era só um sujeito bom de bola e bala perdida, chicletes ou drops de hortelã. Naquele tempo, os rapazes convidavam as moças pra sair e não pra ficar. Camisinha era uma peça…

Continuar lendo País do passado