Choro Cantado homenageia Ademilde Fonseca

Capa do disco Choro Cantado

No dia 10 de março, Lígia Jacques autografou o CD independdente Choro Cantado, no restaurante Cozinha de Minas. Dia 7 de maio, ao meio-dia, será o show de lançamento no Projeto Zás, no teatro da Assembleia Legislativa de Minas Gerais. Trata-se do seu segundo disco solo, no qual ela presta uma justa homenagem à rainha do choro, Ademilde Fonseca. Viabilizado com recursos do Fundo Municipal de Cultura de Belo Horizonte, o CD reúne cinco clássicos do gênero e cinco faixas praticamente inéditas.
Surgido em meados do século 19, no Rio de Janeiro, sob forte influência da polca e do lundu, o choro se tornou o principal gênero instrumental da música brasileira. Com excelentes melodias valorizadas pela performance de grandes instrumentistas, alguns clássicos do gênero também ganhariam letras assinadas por grandes poetas como Vinicius de Moraes, co-autor de Odeon (de Ernesto Nazareth), e João de Barro, letrista de Carinhoso (do mestre Pixinguinha).
A proposta do projeto Choro Cantado foi justamente registrar e resgatar choros que se destacam também pelas letras. O objetivo da produção foi unir música e letra com precisão, valorizando a poesia e a interpretação de Lígia Jacques, cantora de grande talento e perfeita técnica vocal – que fazem dela um dos grandes talentos musicais de Minas Gerais e do Brasil.
Gravado entre maio e novembro de 2009 no estúdio Fábrica de Música, com recursos do Fundo Municipal de Cultura de Belo Horizonte e produção de Jorge Fernando dos Santos, o disco tem arranjos e direção musical de Rogério Leonel, que também toca os violões. A direção artística coube a Jairo de Lara, flautista e saxofonista em várias faixas. Tocam no disco Milton Ramos (contrabaixo acústico) e Serginho Silva (percussões).
A produção executiva coube a Tião Rodrigues, a arte a Adriano Alves e as gravações ao Jairo e ao Eloísio Oliveira. Destacam-se as participações especiais de Ausier Vinícius (cavaquinho, na faixa Pedacinhos do Céu), Celso Adolfo (voz em Domingueiro) e Hudson Brasil (bandolim, no maxixe Satan, de Chiquinha Gonzaga, com letra inédita). Confiram uma amostra do trabalho ouvindo Romanceando, de Valter Braga e Jorge Fernando dos Santos. O CD está sendo vendido a R$30 o exemplar. Dois discos saem por R$ 50. Vejam fotos do lançamento: http://www.jorgefernandosantos.com.br/fotos4.html

Este post tem 22 comentários

  1. Daniel Macedo

    Olá, Jorge! Quero adquirir um exemplar, meu amigo! Avise quando estiver à venda. Grande abraço! Daniel

  2. João Evangelista Rodrigues

    OI, Jorge, belo projeto. Se depender da competência e da seriedade desse time, será sucesso na certa. O Rogério é um perfeccionista e a Lígia dispensa comentários em termos de qualidade e técnica vocal. Sua letra também ficou muito legal, incluindo um tema bastante inusitado em termos de choro. E bom saber que, no meio de tanta loucura e disparates e mal-gosto musicais, ainda existem ilhas de sensibilidade e de criatividade. Um abraço do João Evngelsita.

  3. Olá Jorge Fernando,
    Felicidade pura… Tive o prazer de escutar o disco masterizado, pelas mãos de Lígia, numa festa no dia de Reis: emocionante! Quero ouvi-lo com calma e absorver todos os detalhes. Estava esperando o lançamento para lhe escrever, mas não pude resistir. Como registrou João Evangelista, o CD tem tudo a ver com sucesso grande. Faz bem ao coração.
    E tem um detalhe: você trouxe de volta a voz perfeita de Lígia Jacques e toda a criatividade de Rogério Leonel ao mundo fonográfico e só isto justificaria o projeto. Mas as canções da dupla Valtinho/Jorge são muito lindas e, aí, o trabalho ganhou gosto original.
    Parabéns!!!
    (PS – Um abraço de saudade – neste espaço emprestado – para o João Evangelista!)

  4. Lígia Jacques

    Olá, queridos Toninho e João Evangelista,

    puxa vida, mutíssimo obrigada pelas palavras de incentivo e carinho! Ainda mais vindas de dois especialistas e dois artistas por quem tenho o maior respeito e admiração. Sorte a minha (nossa) em tê-los como amigos e companheiros de caminho!

    Jorge e Valtinho, queridos parceiros. Estou muito, muito feliz com o resultado do nosso trabalho! A parceria de vocês é maravilhosa e um desafio a capacidade de qualquer intérprete! E mais uma vez agradeço a vocês por terem confiado a mim tamanha responsabilidade: interpretar pérolas desta escola tão singular que é o Choro! E a Ademilde, é claro, nossa Rainha, quem primeiro ousou essa empreitada.

    Muito obrigada também à toda a equipe fantástica que vestiu a camisa e tornou este trabalho ainda mais especial! Rogério, meu parceiro de tantos anos, responsável pelo alto nível dos arranjos, Tião, Jairo, Eloísio, Hudson, Serginho, Miltinho, Ausier, Celso, Adriano. Agradeço a cada um de vocês!

    Um abração,

    Lígia Jacques

  5. Meu caro JF,

    Parabéns pelo projeto,obrigado pelo convite,foi muito honroso tocar em um disco arranjado por um craque de quem sou um fã de muitos anos que é o Rogério Leonel, o competente Jairinho que é um grande amigo e o Miltinho que é um super-músico e um ser humano ímpar,Serginho Silva,um irmãozinho muito querido e o pássaro canoro Lígia Jacques (não haveria ninguém melhor para cantar este projeto),espero que tenha me saído bem para não comprometer a beleza do CD!!!
    Um abraço no Tiãozinho e felicidades pra vcs todos!!!!

    Ausier.

  6. Jairo De Lara

    Meu caro Jorge!
    Estou aqui ouvindo a faixa que vc postou no blog e curtindo uma saudade das sessões de gravação aqui no estúdio.
    Fiquei muito feliz com o resultado deste trabalho, do qual tenho orgulho de ter participado.
    Ótimas músicas do Valtinho, ótimas letras suas e os clássicos de todos os tempos.
    Tá tudo lindo… Liginha arrasando, arranjos com harmonias super competentes e o violão do “Mr. Roger” e os amigos “campeões” no timaço: Miltinho, Serginho, Ausier, Hudson e Adolfo.
    Eloísio sempre de bom humor tirando o melhor som do estúdio e ainda o Tiãozinho segurando a peteca pra não deixá-la cair (acho que ele ficou com alguns cabelos brancos a mais).
    Saudade do café do Tião e em alguns dias mais nobres, da pizza com refri.
    Enfim, um grande abraço e estou torcendo muito para que este disco traga para todos os frutos que ele merece. Vida longa para o “Choro Cantado – Lígia Jacques”.

  7. Lígia Jacques

    Queridíssimos Ausier e Jairo,

    puxa, honra e alegria a minha em tê-los neste trabalho e como amigos!! Muitíssimo obrigada, mais uma vez, por terem vestido a camisa deste belo projeto que é de todos nós. Jairo, eu também estou com saudade dos momentos super legais no estúdio. Dá uma vontade de começar tudo do novo… Jorge, vamos lá, começar outro projeto?!!

    Beijão a todos,

    Lígia Jacques

    PS: o Rogério, que se autodenomina (por enquanto!): “Internauta 000” pede pra dizer que está super emocionado com as palavras de vocês. Manda agradecer e um forte abraço. A gente precisa marcar logo um encontro do time pra comemorar, falar pessoalmente e matar as saudades. A gente combina.

  8. Carlos Brandão

    Poema risado e chorado

    Quando Ligia
    canta risos
    todo o mundo chora,
    tal a emoção
    da beleza do som
    do canto-riso
    com que Ligia
    nos toca o fundo
    do coração.

    Mas quando ela
    canta seus choros
    encanta o mundo
    e todo o mundo
    é só sorrisos
    e riso e mais risos
    tal a alegria
    que sem achaques
    há no choro-vida
    de Ligia Jacques!

    Carlos Brandão

  9. Humberto Pereira

    Obrigado pelo disco que você me enviou. Ouvi e gostei. Mais brasileiro não podia ser. Parabéns para todos. – Humberto Pereira, jornalista.

  10. Celso Adolfo

    Jorge Fernando,

    Desculpe não ter me manifestado até agora. Só ontem fiz aquela audição de responsa. Como não sou intérprete de nada, mesmo tendo que fazer esse papel para as minhas composições – fiquei honrado com o convite sabendo que poria Domingueiro sob riscos. Lígia me salvou. E ela fez bonito demais em tudo, especialmente no trabalhoso e insinuante vocal de Água de Moringa. Ali não pode vacilar de jeito nenhum! E ela não vacilou. Rogério arrasou em Choro barroco. O seu texto de apresentação está justo, justíssimo. As suas letras atestam que você sabe o que é, o que foi e o que será o choro: – Manifestação de pura sinceridade na alegria e na tristeza, no salão e no terreiro, nas horas divertidas onde ele cabe. Admiradores do gênero têm mais uma fonte onde buscar os sinais dele. Ah, e Jairo Lara, que conheci como saxofonista, vem mandando bem na flauta há muito tempo. Agora ataca mixando e conduzindo gravação. Que beleza! A produção toda merece o nosso respeito. – Celso Adolfo.

  11. Jorge e Lígia,
    Parabéns!!! Ouvi e reouvi o CD. Muito bom, harmonioso. As inéditas são, podemos dizer, ate vanguardistas por causa de suas melodias complicadas. Tem choro, mas tem também o moderno. As releituras muito bem arranjadas e cantadas. Parabéns!!! Uso o bordão da Chiquinha Gonzaga numa música da Piaf que transformei em choro. Bjs. da Sônia.

  12. Mazza

    Ligia, querida irmã.
    Como é bom acordar “chorando”, esse CHORO CANTADO, um choro amigo, chamado Odeon.
    Escutando seu novo CD , um tipo de choro barroco, domingueiro, que nos faz feliz.
    É tão bom como beber água de moringa. É provar pedacinhos do céu. É puro encantamento. Acredite.
    O projeto gráfico e musical resultou maravilhas. Não é como dizem por aí “ tico- tico no fubá”, remetendo a uma relação instável. Tudo casou lindo.
    Minha voz amada, é ingênuo dizer que você merece título de nobreza. Afinal, sua alma elevada dispensa coisas vãs. Dizer de você , romanceando, é pouco diante de tudo que nos oferece sua voz. Você é mesmo assim, danada, nesse seu divino pacto com satan. Benza Deus!
    Beijos – Mazza, BH.11/03/2010

  13. Rubem Alves

    LIGIA: TUDO PERFEITO, A COMEÇAR DA ESCOLHA. EU NÃO CONHECIA VÁRIAS DAS MÚSICAS. TODAS SÃO MUITO BEM EXECUTADAS. PERFEITAS. VOCÊ DEVE SE SENTIR FELIZ… FOI BOM VER VOCÊ.PENA QUE TÃO POUCO TEMPO. TE GOSTO. RUBEM

  14. Rogério Salgado

    Choro Cantado contou com uma equipe de peso. Foi trabalhado numa perspectiva de resgate histórico do choro e é, sem sombra de dúvidas, um dos melhores trabalhos musicais lançados no mercado fonográfico neste início de 2010. Feito com esmero, o qual recomendo a todos que gostam de uma boa música e de uma voz de veludo a massagear os tímpanos. – Rogério Salgado, no blog Artista em Cena.

  15. Dário Borim

    O CD é muito bom e terei o maior prazer em divulgá-lo no meu programa de rádio. Parabéns a todos que contribuíram para o projeto e meu muito obrigado por se lembrar de mim – Dário Borim, EUA

  16. Mauro Alvim

    Ouvindo seu disco fiquei a pensar muito no meu já falecido pai que adorava chorinho. No mais, já pensou ou está em contato para fazer um show desse disco no Rio ou São Paulo? É muito bom ver que tem gente nesse Brasil que procura resgatar o nosso folclore como você está fazendo com o chorinho. Aquele dia do lançamento eu só não fiquei mais porque estava com outras trocentas de compromisso mas, deixar de ir lá te prestigiar eu não deixaria jamais, mas ainda foi muito bom para te rever e encontrar pessoas como o Jorginho Fernando, mais a Selma Carvalho e outros. Um grande beijo do Mauro Alvim.

  17. Ouvi atentamente o CD com musicas tão lindamente interpretadas por você, Lígia, e tão competentemente compostas e produzidas por você, Jorge. É um presente e tanto. As faixas 1, 3 , 5 e 7, compostas pelo Jorge, são o que há de melhor no disco, englobado aí o choro do João Bosco e A. Blanc. Acertaram em cheio. Parabéns e continuem a produzir essas riquezas. A música oferecida ao querido Manoel , in memorian , é ótima e muito parecida com ele. Jorge, há chances de colocar uma letra em um samba meu? Abraços, Zecarlos Lassi

  18. Cláudio e Márcia

    Queridos, obrigado por nos brindar com o belíssimo “Choro Cantado”. Precioso Trem de ferro nas montanhas, nas veias, olhos e silêncio dos mineiros, parodiando ao Jorge. Felicitamos à todos que participam dessa eterna viagem musical, rindo de tanto chorar cantando, para nosso extasiado deleite. Abraço, Cláudio e Márcia Mourão

  19. Dário Borim

    Já ouvi o disco algumas vezes. É lindo! Acho os vocais em geral e as harmonias, em particular, de primeira qualidade. As letras fazem um interessante contraponto com o modo dos diferentes chorinhos. Vocês todos estão de parabéns. Vou enfocar o disco numa edição do programa de rádio, em breve, e tratarei de mandar-lhe uma cópia do CD. Muitíssimo obrigado. Imagino a dificuldade que deve ter sido letrar algumas daquelas peças! – Dário Borim, EUA.

  20. Pedro Henrique Fonseca

    Como posso conseguir um exemplar?
    Gostaria muito de comprar um, mas não sei onde procurar! Se possível, me mande um e-mail esclarecendo como posso adquirir o cd, a seleção de músicas está ótima!
    Pedro Henrique

  21. Olá Jorge

    Há muito tempo estou para falar com você sobre este grande trabalho que vocês executaram, “Choro Cantado” Lígia Jacques. Mas o que importa saber é que esta é uma grande obra, dessas que obedecem a genialidade do ineditismo. O aplauso aqui nosso continua pelos caminhos leves e singulares que cada uma das faixas caminhou empregando, pra quem escuta, uma deliciosa sensação da terra do Brasil, da arte brasileira, do nacional. Este trabalho amplia a visão que a riqueza do choro traz em sua peça central como alma, como cosmos entre aquela tristurinha paciente, como disse Mário de Andrade e aquele gozo exato da poesia. Por isso não é uma obra isolada, mesmo sendo essencialmente original e autônoma, mas falo daquela autonomia que se distancia da unilateralidade, do exclusivismo, pois os deliciosos atrativos estão justamente na forma universal de um documento, da inspiração e do fenômeno da obra.

    Impressiona como este pequeno CD torna-se uma gigantesca bacia de sons, quando o ouvimos, mantendo, quase como uma doutrina, uma singela dinâmica de leveza. Este belo trabalho acentua as liberdades do choro, às vezes preso no imaginário de alguns ao remelexo corporal. Choro Cantado – Lígia Jacques é uma carta perfumada escrita em papel de seda que expressa o choro como música nacional, psicologicamente rica de excelência que impulsiona a todos nós a verificação dos múltiplos e ricos caminhos que podemos percorrer.

    Por tudo isso, querido Jorge Fernando, agradeço o envio carinhoso do CD e aproveito aqui para parabenizar a todos que participaram deste trabalho pela força expressiva que ele tem.

  22. valter de albuquerque

    O CHORO É A COISA MAIS LINDA, MUSICALMENTE FALANDO. ALGUNS CHORÕES ACHAM QUE O CHORO NÃO DEVE TER LETRA. EU ACHO QUE DEVE. HÁ UM PORÉM: O CHORO DEVE SER TOCADO INTEGRALMENTE E, SÓ DEPOIS É QUE DEVE SER CANTADO. É UNIR O ÚTIL AO AGRADÁVEL. QUEM NÃO CONHECE O CARINHOSO? ENTRETANTO, SE NÃO HOUVESSE LETRA NÃO SERIA TÃO DIVULGADO E OUVIDO POR TODO O BRASIL E NO EXTERIOR. CHEGA DE LIXO MUSICAL (OS QUE SÃO REALMENTE LIXO), ENLATADO OU NÃO. VIVA OS CHORÕES! VIVA O BRASIL! ABRAÇO A TODOS.

Deixe uma resposta