Alguém Tem que Ficar no Gol

Edições SM
Ilustrações: Laurent Cardon

A derrota da seleção brasileira na Copa de 1950, no Maracanã, foi o maior trauma do nosso futebol. O escrete nacional chegou à final contra o Uruguai precisando apenas do empate. O placar estava em 1X1, quando o atacante uruguaio Ghiggia sacudiu a rede do goleiro vascaíno Barbosa, aos 38 minutos do segundo tempo. O que ninguém esperava, no entanto, é que uma revanche seria marcada para 21 de dezembro de 2012. O local escolhido seria o campo da chácara onde Frederico mora com a mãe e o padrasto, num condomínio fechado. 
Classificado em segundo lugar no 7º Prêmio Baco a Vapor, o livro fala do amor ao futebol, da importância do perdão, das relações familiares e da profecia maia como um alerta para que o homem aprenda a respeitar a natureza.